Buscar
  • Eloah

2-Síndrome do ninho vazio

Atualizado: Jan 10


Síndrome do ninho vazio

Todos os pais, principalmente as mães, sofrem MUITO quando chega o momento em que os filhos começam a "voar com as próprias asas".

Ou vão estudar fora, trabalhar em outra cidade, ou se casam, enfim, existem vários motivos pelos quais, em uma determinada época, os filhos podem deixar a casa dos pais.

Mesmo com encontros, telefonemas e skypes, a presença é menos frequente, e a mãe não tem o seu "bebê" para cuidar e proteger o tempo todo.

Normalmente coincide com outros eventos da vida que vão contribuir para tornar estes momentos melancólicos e penosos. Talvez uma menopausa, uma aposentadoria,uma separação conjugal também estejam em curso. Enfim, esta é uma fase da vida na qual todos nós, homens e mulheres, precisamos olhar para nós mesmos e também reaprender a voar com nossas próprias asas.

Estamos necessitando desesperadamente da nossa atenção. Temos que refletir e buscar uma adaptação àquela nova configuração familiar, e enriquece-la com interesses e atividades que possam ser úteis e agregar mais valor à nossa vida. Precisamos da nossa força , e da nossa dedicação, agora para nós mesmos, para encontrar um novo sentido para a vida, onde possamos utilizar toda a sabedoria acumulada ao longo dos anos.

Precisamos estar atentos para não corrermos o risco de jogar uma carga muito pesada no colo dos nossos filhos, que também estão enfrentando os novos desafios que vêm com a vida adulta.

É o momento de fazermos uma introspecção e para isso algumas perguntas ajudam muito.


-O que eu deixe para trás? Que conhecimentos, arte, atividade física, amigos, viagens, projetos e etc., se perderam pelo percurso por falta de tempo?

-Como me sinto fisicamente?

-Como está minha autoestima?

Como está minha vida profissional?

-Como está minha vida afetiva e sexual?

-O que eu gostaria que acontecesse agora?

-O que me faria mais feliz?

-Como posso me cuidar mais?

-Como posso contribuir para o todo? Como minha experiência poderia ajudar outras pessoas?

-Posso reativar amizades passadas e fazer novas?

-Estou bem atualizado?

-O que me faria feliz?


Você com certeza poderá acrescentar outras perguntas que sejam pertinentes à sua realidade.

Mas pense com espírito investigativo sobre isso, para que chegue a resultados que possam realmente melhorar a sua qualidade de vida. Coisas que possam aumentar sua autoestima e preencher seus dias com atividades importantes. Não apenas passatempos inexpressivos.

Por que não surpreender à você mesma e aos seus familiares, tornando-se um expert em algum assunto atual. Teste seus limites e desafie-se. Já pensou nisso?


Se precisar de uma força extra, participe dos nossos simpáticos Grupos de Apoio.

Além da terapia em grupo e da troca de experiência com pessoas diferentes do seu círculo habitual, e que estão em situações semelhantes, você vivenciará momentos muito especiais e cheios de energia positiva. É realmente transformador.

Representa o início de uma nova fase, com muito mais entusiasmo e suporte para você alavancar sua qualidade de vida. No momento só em São Paulo.












4 visualizações