Dicas

TAG- Transtorno de Ansiedade Generalizada

As perguntas abaixo podem ajuda-lo(a) a identificar indícios de que você pode estar apresentando um quadro de TAG (Transtorno de Ansiedade Generalizada).

(Este questionário é apenas um indicativo e não substitui a avaliação do profissional)

1-Você se considera muito autocrítico?

2-Preocupa-se exageradamente com situações futuras em relação a você e às pessoas queridas?

3-Costuma superestimar o que considera como seus defeitos e subestimar suas qualidades?

4-Tem tido aumento ou perda de apetite fora do seu normal?

5-Sofre de insônia?

6-Acredita que já perdeu oportunidades importantes em razão das limitações emocionais que vem enfrentando?

7-Quando acredita que cometeu um erro, costuma perdoar-se?

8- Costuma ter pensamentos catastróficos, mesmo sem motivo aparente para eles?

9-Já teve medo de enlouquecer ou acreditou que está perdendo o controle?

10-Já deixou de ir a algum lugar onde, caso tivesse uma crise, supunha que seria difícil ser socorrido?

11-Sente-se irritado por qualquer motivo, por exemplo, derrubar um objeto no chão?

12-Já sentiu seu corpo fora de controle em situações que NÃO representavam ameaça?

(Tremores, aperto no peito, sensação de desmaio, sudorese aumentada, boca seca, dificuldade de respirar, tontura, formigamento nas mãos e pés, aumento da frequência cardíaca, tensão muscular, problemas gástricos ou intestinais, etc.)

13-Quantas vezes se recorda de ter tido um episódio de crise de ansiedade, com alguns destes sintomas acima, nos últimos 6 meses?

14-Toma remédios controlados? Há quanto tempo?

15-Tem pensamentos mórbidos, sobre doença e morte?

16-Certos sons o deixam exageradamente incomodado?

17-Sofre com o medo de contrair alguma doença grave?

18-Costuma ter reações desproporcionais quando se sente contrariado ou ameaçado? Tem “explosões” injustificadas?

19- É ciumento? Já se sentiu atormentado por isso? De 0 a 10, como se classificaria?

20-Você se sente analisado e julgado pelas pessoas à sua volta, como se todos o estivessem observando, mesmo em situações corriqueiras do dia a dia, a ponto de perder a naturalidade?

 

21-Imagina que as pessoas à sua volta vão perceber seu estado de descontrole?

22-Você tem pensamentos recorrentes sobre o que os outros pensam de alguma coisa que você fez, falou ou deixou de fazer ou falar? – Esses pensamentos são muito persistentes e incômodos? Costumam durar mais de um dia?

23-Situações sociais que incluam pessoas fora do seu círculo habitual são encaradas com muita inquietação, a ponto procurar evitá-las?

24-Sente-se exageradamente incomodado ao encontrar pessoas no elevador, por exemplo, a ponto de dar uma desculpa e não entrar?

25-Quando sabe que terá que enfrentar alguma situação na qual realmente será avaliado (uma entrevista de emprego, por exemplo, ou terá que falar para uma plateia, ou apresentar uma ideia a terceiros), costuma “sofrer” por antecipação, ou apenas sente mais tenso um pouco antes do evento?

26-Quando está sendo o centro das atenções por algum motivo, aos poucos vai ficando mais à vontade e recuperando a autoconfiança ou o estresse do início permanece até o final?

27-Você já evitou algumas situações que seriam importantes para você, pelo medo de se expor?

28-Com que frequência se sente limitado pelo receio de enfrentar uma situação e quantas já sentiu sinceramente que não conseguiu demonstrar “o seu melhor”, pelo receio das pessoas perceberem seu descontrole?

29-Sente que nunca relaxa? Que precisa estar sempre “no controle”?

30- Pratica algum tipo de meditação?

31-Já se sentiu apartado dos outros ou de situações em que se encontrava?

32-Já fez algum tipo de terapia mental?

33- Anote as 5 situações em que se sente mais ameaçado e dê uma nota de 0 a 10 para cada uma levando em conta o grau de ansiedade.

34- De 0 a 10, quanto você considera que retomar seu controle em todas as situações e se livrar dessas ocorrências vai influir na sua qualidade de vida?

Analise suas respostas e tenha um primeiro indicador sobre a necessidade de procurar ajuda.​

Este questionário não substitui uma avaliação profissional.​

Nota: O texto foi escrito no masculino, unicamente para facilitar a escrita, como poderia ter sido escrito igualmente no feminino.

A subida é mais segura,
quando se tem uma ajuda